Três erros que acabam com sua aerodinâmica na bike

01-10-2020

O cenário é comum em competições de Triathlon: O atleta investe alguns milhares de dólares em uma super bike, adquire rodas e capacetes aerodinâmicos, mas acaba perdendo toda a vantagem desse equipamento ao cometer alguns erros simples.

A promessa de ganhar segundos ou até mesmo minutos não se concretiza, e muitos atletas acabam culpando o fabricante da bike ou das rodas. O que ele não sabe, na maioria das vezes, são pequenos detalhes que acabam matando sua aerodinâmica.

Pensando em um Ironman, que envolve 180km de ciclismo, tudo o que lhe faz 1 segundo mais lento a cada quilometro (o que não parece muito), significa 3 minutos adicionais em seu tempo final no ciclismo. Da mesma forma, tudo o que lhe faz economizar 2 segundos a cada quilometro implica um ganho de 6 minutos no tempo final do pedal de um Ironman.

Nas provas curtas, especialmente as com vácuo, esses detalhes não fazem muita diferença. No entanto, nas provas sem vácuo, em especial de meio iron (90km de ciclismo) e Ironman (180km de ciclismo), a atenção aos detalhes é fundamental. Mais economia de energia o ciclismo também significa mais energia para a corrida o que, geralmente, implica um tempo total de prova melhor.

Há três erros simples e muito comuns nas competições que podem ser resolvidos com pequenos ajuste e farão você economizar alguns bons watts em provas longas:

1 - Pedalar com as pernas abertas

Apesar de toda a preocupação com a aerodinâmica dos quadros, é sempre importante lembrar que a maior área de arrasto não é da bike, mas sim do ciclista, que representa cerca de 80% da área frontal.

Assim, quanto menor a área frontal, mais aerodinâmico e eficiente você será. O que se vê com frequência são atletas pedalando com as pernas abertas demais, aumentando sobremaneira a área frontal e, consequentemente, o arrasto.

Na maioria das vezes, isso envolve apenas realizar um bom bike fit já que o principal motivo dessa deficiência é selim baixo demais. Um bom fit também fará com que você fique em um posição ideal para gerar potência, mas mantendo uma boa posição aerodinâmica.

O que surpreende é que muitos atletas pagam milhares de dólares em uma bicicleta, mas se recusam a gastar algumas centenas de reais com um bom bike fit.

2 - Excesso de garrafinhas

Muitos atletas se esquecem que, em praticamente todas as provas iron distance do mundo, há estações de hidratação ao longo do ciclismo. Assim, não é necessário levar 3,4,5 ou mais garrafinhas ou caramanholas. Além de esquentarem, elas adicionam peso e muito arrasto aerodinâmico, especialmente aquelas atrás do selim.

3 - Roupas soltas

Esse é o erro mais simples e mais fácil de se resolver e que, proporcionalmente, mais custa tempo aos atletas. As roupas justas no corpo não servem para mostrar os belos músculos do seu corpo. Elas servem para reduzir o arrasto aerodinâmico.

Lembre-se que tudo que aumenta a área frontal aumenta o arrasto. Roupas soltas, balançando com o vento são um grande inimigo do triatleta.

Observe as competições de contrarrelógio de ciclistas profissionais ou triatletas profissionais de longa distância e verá que todas as roupas são coladas no corpo, evitando esse arrasto adicional e desnecessário. Com os tecidos actuais, as roupas são confortáveis e bem ventiladas, mesmo quando coladas ao corpo.

É claro que nada disso substitui treinos e a dedicação diária ao desporto. No entanto, esses pequenos ajustes, todos de baixo custo, podem significar uma vaga para o mundial ou aquela sonhada meta de tempo em um Ironman.

Portanto, antes de trocar a sua bike acreditando que você pode ganhar algum tempo, verifique primeiro se você não está cometendo esses erros.

Fonte: www.mundotri.com.br