O joelho da mulher

09-10-2020

Hormônios, anatomia diferente e prática de desportos de impacto tornam o joelho da mulher mais vulnerável que o masculino.

Isso tudo, porém, ainda não justifica o número cada vez mais alto de mulheres reclamando das dores na articulação.

Quem explica isso é o médico Fabiano Gonçalves Cunha, Ortopedista especialista em medicina desportiva e cirurgia de joelho do Hospital Santa Paula, em São Paulo (Brasil). As mulheres tiveram uma mudança de perfil desportivo.

Antes, praticavam modalidades de menor impacto e agora participam de modalidades de maior intensidade como a corrida de a rua, por exemplo e, aliás, de maneira bem mais competitiva, analisa.

Uma das estruturas que padecem nessas desportistas é o ligamento cruzado anterior, que serve de elo entre a tíbia e o fêmur. Há oito anos, 3% dos casos de problemas nesse ligamento diziam respeito às mulheres. Hoje elas já representam 10% dos pacientes, calcula Fabiano Gonçalves Cunha.

A saída para prevenir boa parte dos problemas é preparar o corpo especificamente a área do joelho antes de cair de cabeça em qualquer desporto.

Não importa a modalidade, sempre é bom reforçar os membros inferiores praticando sessões de musculação intercaladas aos treinos, indica o especialista. Claro que, para isso, é fundamental contar com um bom orientador.

Um aquecimento que simule os movimentos do desporto também é benéfico, deixando a articulação a postos. E, claro, os calçados podem fazer toda a diferença. Eles precisam de um bom sistema de amortecimento para absorver o impacto, minimizando o trabalho dos joelhos.

O ideal é escolher um modelo específico para o desporto que será praticado. Isso evita pisadas erradas. Elas são capazes de castigar os tendões, ainda mais se houver exagero nos treinos.

Quando as lesões aparecem, a saída pode ser o bisturi. E vamos logo avisar: o processo de recuperação é lento. Para ter uma idéia, são necessários seis meses até que alguém com o ligamento cruzado anterior rompido possa voltar a se exercitar sem problemas.

Além do mais, uma contusão grave como essa pode indicar que a pessoa tem uma predisposição para o incidente. Paciência e fisioterapia, mais do que nunca, são fundamentais.

Quem desiste e não se trata direito dificilmente volta aos desportos. E quem não pratica um desporto, por sua vez, pode ter dores de cabeça muito piores do que as dos problemas nos joelhos.

Fonte: www.midiasport.com.br - Por Dr. Fabiano Gonçalves Cunha